CCSP WEB

  • O imaginário dos 50 anos do Golpe O imaginário dos 50 anos do Golpe Liberdade é pouco, com Grupo Redimunho e convidados - dia 1º/4 - Foto: Divulgação
  • O imaginário dos 50 anos do Golpe O imaginário dos 50 anos do Golpe Corinthians, meu amor - segundo Brava Companhia - Uma homenagem ao Teatro Popular União e Olho Vivo - de 3 a 6/4 - Foto: Divulgação
  • Ricardo III Ricardo III de 18/4 a 11/5 - Foto: Divulgação
  • O imaginário dos 50 anos do Golpe O imaginário dos 50 anos do Golpe Sociedade mortuária - de 4/4 - Foto: Divulgação
  • O imaginário dos 50 anos do Golpe O imaginário dos 50 anos do Golpe Hamlet e o filho do padeiro - dia 5/4 - Foto: Silvia Paulino Neder (Acervo do Arquivo Multimeios do CCSP)
  • O imaginário dos 50 anos do Golpe O imaginário dos 50 anos do Golpe Morrer de pé - dia 6/4 - Foto: Divulgação
  • O imaginário dos 50 anos do Golpe O imaginário dos 50 anos do Golpe Revolução - de 11 a 13/4 - Foto: Sossô Parma

 

TEATRO ADULTO - Estreia

O imaginário dos 50 anos do Golpe

dia 1º/4 - terça - 16h
Liberdade é pouco
grupo: Redimunho e convidados - texto: Dorberto Carvalho - direção: Rudifran Pompeu - elenco: Edmilson Cordeiro, Daniela Solano, Sergio Audi, Monica Raphael, Dorberto Carvalho e Rudifran Pompeu
Documentário cênico-poético. (75min, livre)
Espetáculo livremente inspirado no texto Liberdade, Liberdade, de Flávio Rangel e Millôr Fernandes, que foi encenado em 1965, no Rio de Janeiro, pelos grupos Opinião e Teatro de Arena. Na atual encenação um anjo, um corifeu e uma mãe, acompanhados de um coro, transitam por espaços e tempos, a partir de cenas, narrativas, depoimentos, frases, fragmentos de poemas e intervenções musicais que compõem um pequeno inventário sobre a censura, a tortura e a trajetória dos mortos e desaparecidos durante um dos períodos mais obscuros de nossa história recente.
Entrada franca - sem necessidade de retirada de ingressos
Espetáculo itinerante, espaços externos

seta subir

 

de 3 a 6/4 - quinta a sábado, às 21h; domingo, às 20h
Corinthians, meu amor - segundo Brava Companhia - Uma homenagem ao Teatro Popular União e Olho Vivo
grupo: Brava Companhia - texto original: Idibal Piveta (César Vieira) - dramaturgia: Fábio Resende - direção: Rafaela Carneiro - elenco: Ademir de Almeida, Cris Lima, Henrique Alonso, Joel Carozzi, Luciana Gabriel, Márcio Rodrigues, Max Raimundo e Sérgio Carozzi
Comédia épica (100min, 14 anos)
Originalmente escrita por Idibal Piveta (César Vieira), em 1966, a peça tem como enredo a vida na capital paulista que gira, toda ela, e em todos os setores, ao redor do Sport Club Corinthians Paulista e dos trabalhadores e trabalhadoras torcedores do, então, "time do povo". Corinthians, meu amor - segundo Brava Companhia - uma homenagem ao teatro popular união e olho vivo, quer ser uma peça como uma festa. Festa de denúncia, anunciação, diversão e crítica. Festa de homenagem ao Teatro Popular União e Olho Vivo.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, até dois ingressos por pessoa, duas horas antes do início do espetáculo
Sala Adoniran Barbosa (280 lugares)
seta subir

 

dia 4/4 - sexta - 21h
Sociedade mortuária
Híbrido. (90min, 14 anos)
grupo: Cia. do Latão - direção e dramaturgia: Sérgio de Carvalho - elenco: Helena Albergaria, Ney Piacentini, Renan Rovida, Rogerio Bandeira, Carlos Echer, Adriana Mendonça, Martin Eikmeier, Alvaro Franco, Fernanda Gonzalez, Erika Rocha e Ricardo Monastero
Primeiro ato de Ópera dos Vivos, a  peça se inspira na história das Ligas Camponesas, surgidas no interior pernambucano em fins dos anos 1950, a partir das chamadas “sociedades mortuárias”, associações de camponeses que se cotizavam para comprar caixões e realizar enterros dignos. O tema foi tratado no passado por autores como Antonio Callado e inspirou peças ligadas ao CPC (Centros Populares de Cultura), um dos principais movimentos de renovação da arte teatral no País, como se vê no filme Cabra Marcado para Morrer, de Eduardo Coutinho. A versão da Companhia do Latão desenvolve o assunto no contexto mundial da Guerra Fria e aproxima, com a liberdade da parábola histórica, o trabalho das Ligas Camponesas das jornadas de alfabetização de Paulo Freire. O simbolismo da luta de classes no campo surge aqui, também, como reflexão sobre a beleza e a dificuldade de politização da arte.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, até dois ingressos por pessoa, duas horas antes do início do espetáculo
Espaço Cênico Ademar Guerra (97 lugares)

seta subir

 

dia 5/4 - sábado - 21h
Hamlet e o filho do padeiro
Híbrido. (90min, 14 anos)
grupo: Cia. do Latão - direção e dramaturgia: Sérgio de Carvalho - elenco: Helena Albergaria, Ney Piacentini, Renan Rovida, Rogerio Bandeira, Carlos Echer, Adriana Mendonça, Martin Eikmeier, Alvaro Franco, Fernanda Gonzalez, Erika Rocha e Ricardo Monastero - participação especial: Cecília Boal
Inspirada em cenas da peça Hamlet, de William Shakespeare, e no livro Hamlet e o filho do Padeiro, de Augusto Boal. A apresentação marca o lançamento do livro homônimo, pela Editora Cosac Naify, e é um diálogo da Companhia com a memória de Boal, um dos artistas centrais da cena brasileira nos últimos 50 anos.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, até dois ingressos por pessoa, duas horas antes do início do espetáculo
Espaço Cênico Ademar Guerra (97 lugares)

observação Após o espetáculo haverá o lançamento do livro Hamlet e o filho do padeiro, da editora Cosac & Naify.

seta subir

 

dia 6/4 - domingo - 20h
Morrer de pé
Híbrido. (90min, 14 anos)
grupo: Cia. do Latão - direção e dramaturgia: Sérgio de Carvalho - elenco: Helena Albergaria, Ney Piacentini, Renan Rovida, Rogerio Bandeira, Carlos Echer, Adriana Mendonça, Martin Eikmeier, Alvaro Franco, Fernanda Gonzalez, Erika Rocha e Ricardo Monastero
Quarto e último ato de Ópera dos vivos, a ação se passa em um estúdio de televisão. São cenas prosaicas, vistas sob o olhar crítico que identifica na produção cultural de hoje relações em que o trabalho artístico se formata e se vende como qualquer ourtra mercadoria. É o ponto de chegada e o retrato vivo, nevrálgico, de alguns dos aspectos em que resultaram os últimos 50 anos de cultura e política no Brasil.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, até dois ingressos por pessoa, duas horas antes do início do espetáculo
Espaço Cênico Ademar Guerra (97 lugares)

seta subir

 

de 8 a 10/4 - terça a quinta, às 14h
Uni-v oco s
grupo: Companhia Les Commediens Tropicales - elenco: Carlos Canhameiro, Daniel Gonzalez, Michele Navarro, Paula Mirhan, Rodrigo Bianchini e Tetembua Dandara - músicos: Beto Sporleder, Daniel Muller, Guilherme Marques e Rui Barossi
(65min, livre)
As gerações mortas oprimem como um pesadelo o pensamento dos vivos e somos nós, os vivos, que re(con)destruímos tradições atuais e futuras, como cachorro que morde o rabo ou como o rabo que provoca o cachorro. A Cia. Les Commediens Tropicales segue a trilha da intervenção urbana com parceria do Quarteto à Deriva para colocar no espaço atual as tradições vivas das gerações. Porque precisamos arrancar a relva para que o verde permaneça "verde que te quiero verde".
Entrada franca - sem necessidade de retirada de ingressos
Espetáculo itinerante, espaços externos

seta subir

 

de 11 a 13/4 - sexta e sábado, às 21h; domingo, às 20h
Três movimentos
grupo: Cia. Ocamorana - direção e dramaturgia: Márcio Boaro - elenco: Alexandre Krug, Erika Coracini, Maria Dresden, Monica Raphael, Manuel Bolcinhas e Samanta Precioso - músico: Bruno Boaro
(90min, 14 anos)
A história recente do Brasil retratada a partir de três recortes, distantes 20 anos entre eles: década de 1970 – os defensores das utopias políticas em confronto com a ditadura; década de 1990 – os que lutaram contra a ditadura na maturidade política e o neoliberalismo como cultura hegemônica no mundo; década presente – o debate político, o Brasil e o mundo discutem um novo momento, a história não acabou.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, até dois ingressos por pessoa, duas horas antes do início do espetáculo
Espaço Cênico Ademar Guerra (180 lugares)

seta subir

 

de 11 a 13/4 - sexta e domingo, às 21h; sábado, às 22h
Revolução
grupo: Club Noir - texto e direção: Roberto Alvim - elenco: Juliana Galdino, Renato Forner e Paula Spinelli
(45min, 14 anos)
Uma análise poética das forças que geraram o Golpe de 1964: seus múltiplos vetores contraditórios, o campo de alta complexidade política que desencadeou os acontecimentos terríveis dos anos de repressão. Uma retrospectiva ressignificada, que tenta desvelar as raízes obscuras de um regime de força, assim como o traçar de analogias entre aquele período e nossa conturbada contemporaneidade.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, até dois ingressos por pessoa, duas horas antes do início do espetáculo
Sala Jardel Filho (321 lugares)

seta subir

veja também Clique aqui para conhecer a programação completa O imaginário dos 50 anos do Golpe

 

Ricardo III

de 18/4 a 11/5 - sexta e sábado, às 20h30; domingo, às 19h30
texto original: William Shakespeare - direção: Marcelo Lazaratto - elenco: Chico Carvalho, Mayara Magri, André Corrêa, Evas Carretero, Fernando Nitsch, Heitor Goldflus, Imara Reis, Isis Valente, Marcelo Moraes, Marcos Suchara, Maria Laura Nogueira, Mario Luz, Rafael Losso, Renata Zhaneta.
Drama histórico. (150min, com intervalo de 10min - 12 anos)
Ambientada no fim da Guerra das Rosas, a peça enfoca o conflito pela sucessão ao trono inglês entre 1455 e 1485, revelando bastidores uma trama cheia de traições, complôs e crimes movidos pela ambição.
Ingressos: R$20,00 - A bilheteria abre duas horas antes do início do espetáculo
Sala Jardel Filho (321 lugares)

seta subir

 

TEATRO INFANTO-JUVENIL

Os Pés Murchos x Os Cabeças de Bagre

de 3/5 a 8/6 - sábados e domingos, às 16h
texto: Tuna Serzedello - direção: Soledad Yunge - elenco: Júlia Novaes, Luisa Taborda, Taiguara Chagas e Tuna Serzedello - cenografia: Cia. Arthur-Arnaldo - figurino: Kiki Bedouret - direção musical: Taiguara Chagas - iluminação: Tuna Serzedello
(55min, livre)
Espetáculo infantil que conta "toda" história do futebol, desde sua invenção na China, até os dias de hoje, passando pela história de todas as Copas em 50 minutos. Uma divertida comédia em que quatro atores correm contra o relógio para cumprir a tarefa.
Ingressos: R$15,00 - retirada de ingressos: na bilheteria, duas horas antes do início do espetáculo - preço popular: R$3,00 (somente no dia 18/5)
Sala Jardel Filho (321 lugares)

aviso No dia 23/5, sexta, haverá uma sessão especial para escolas e público em geral, com entrada franca, além de interpretação em Libras

seta subir

ícone facebook
ícone twitter
ícone enciar e-mail
ícone imagens
ícone audio
ícone webrádio
ícone vídeo
destaque
ícone saiba mais
ícone veja também
ícone aviso
ícone obs
audiodescricao
libras
ícone download
endereço eletrônico
ícone inscrições abertas
sem necessidade de inscrição
ícone inscrições encerradas
selecionados
facebook
twitter
boletim
imagens
áudio
lab.rádio
vídeo
destaque
saiba mais
veja também
aviso
obs
audiodescrição
libras
download
www ou email
oficinas
abertas
oficinas com inscrição
inscrições
encerradas
selecionados
 

Divisão de Informação e Comunicação - Direção
Márcio Yonamine

Coordenação do Site
Marcia Dutra

Conteúdo online
Márcia Dutra, Juliene Codognotto, Vinícius Máximo, Sabrina Haick

Imagens - Núcleo de Fotografia do CCSP
Edição de imagens: Sossô Parma
Fotógrafos: Sossô Parma e João Mussolin

Materiais impressos
Projeto gráfico: Adriane Bertini e Solange Azevedo
Edição de textos: Camile Rodrigues Aragão Costa
Revisão: Paulo Vinicio de Brito

Layout e manutenção
Web design: Edmarcio da Silva
Estagiário: Mel Schultz Videira

LabRádio
Coordenação: Ângela Volcov
Produção: Rita Lorenzato
Coordenação técnica: Eduardo Neves
Estagiária: Camila Matos

LabVídeo
Coordenação e edição de vídeo: Alessandro Santos Nascimento
Captação de imagens: Celso Toquetti, José Amador Martins e Laís Cristina Franco Gomes
Estagiária: Sofia Zocch