CCSP WEB

  • Sarau Encontro de Utopias Sarau Encontro de Utopias dia 18/3 - sábado - 17h30
  • Leia MulheresClube de Leitura Leia MulheresClube de Leitura dia 25/3 - sábado - 16h

 

LITERATURA

Sarau Encontro de Utopias

O Sarau Encontro de Utopias tem o CCSP como sua sede desde novembro de 2015, realizando seus encontros sempre no terceiro sábado de cada mês, com pocket shows, recitais e lançamentos de novos trabalhos.

dia 18/3 - sábado - 17h30
Na edição de março, o Sarau Encontro de Utopias contará com o lançamento do livro de contos Reza de Mãe, de Allan da Rosa. É a primeira reunião impressa da produção de contos do autor. Em sua programação musical, participação de Mari Ananias (voz e violão) e Lua Bernardo (flauta transversal), que apresentam o trabalho Diadorinhas. Presença também de Joana Reais, cantora de fados, performer e pesquisadora portuguesa radicada em São Paulo desde 2014, acompanhada do violonista gaúcho Romes Pinheiro, e de Kana Aoki, cantora, compositora, violonista e pianista japonesa radicada em São Paulo há mais de duas décadas e que viajou por todo o Japão cantando música brasileira e jazz, acompanhada da banda Hiroki Trio.

dia 15/4 - sábado - 17h30
Na edição de abril acontece o lançamento do livro de poemas Um ponto entre Dois, de André Couri. Também haverá a apresentação cênica do grupo OsRetirante, um projeto de resgate cultural, histórico e social que utiliza a linguagem poética para reviver a saga do povo nordestino na sua jornada de construção e povoamento do território brasileiro. Além disso, o Sarau contará com as participações da banda de forró Dona Crô, que tem como proposta retomar canções tradicionais do repertório nordestino, e do músico de MPB Ruan Trajano, violonista e compositor recifense.

150min - livre - Espaço Mário Chamie
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

seta subir

 

Leia Mulheres
Clube de Leitura

Leia Mulheres é um coletivo cujo projeto é estimular a leitura, o debate e a divulgação de livros escritos por mulheres, a partir da organização de clubes de leitura e de eventos sobre literatura em livrarias, centros culturais e bibliotecas.

dia 25/3 - sábado - 16h
Em março o Clube de Leitura Leia Mulheres completa dois anos (sendo seu quinto mês de parceria com o CCSP) e, para comemorar, o livro escolhido foi A teta racional, da autora contemporânea Giovana Madalosso. O feminino no mundo contemporâneo dá o norte para as histórias deste livro de contos, em que a delicadeza e a dureza buscam uma possibilidade de reconciliação. A amamentação está presente no conto que dá nome ao livro, A teta racional, o ordenhar-se no banheiro da agência onde se trabalha para guardar o leite que seu nenê tomará no dia seguinte, na sua ausência. O delicado conto Sentimento n° 1403, protagonizado por um olhar de encantamento com o mundo, coexiste com o duro conto Roleta russa, em que a transexual portadora do vírus da AIDS é convidada para uma festa em que o sexo corre livre e sem preservativo. E nessa busca pela reconciliação vai surgindo então uma nova identidade para essa mulher que age e reage a essa realidade veloz e pragmática da qual faz parte. A teta racional, livro de estreia de Giovana Madalosso, foi selecionado na Segunda Temporada de Originais da Editora Grua, em que foram escolhidos dois entre 240 livros.
com: Giovana Madalosso (escritora), Juliana Gomes, Juliana Leuenroth e Michelle Henriques (organizadoras do evento)

dia 29/4 - sábado - 16h
Em abril o Clube de Leitura Leia Mulheres debaterá a obra Aqui estão os sonhadores, da autora Imbolo Mbue, nativa de Camarões. O romance narra a história de Jende Jonga, um camaronês que vive no Harlem, bairro nova-iorquino, e que migrou para os Estados Unidos em busca de uma vida melhor para sua esposa, Neni, e o filho de seis anos. Pintando um retrato vibrante de duas culturas e dois casamentos, Imbolo Mbue criou personagens inesquecíveis, cujos desejos, tristezas e alegrias se descortinam com uma veracidade impressionante diante dos olhos do leitor, explorando questões sobre amor, classe, raça e família enquanto expõe a fragilidade do sonho americano.

120min - livre - Gibiteca Henfil
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

seta subir

 

Ponto de encontro - Leituras

O CCSP inaugura a série Ponto de Encontro - Leituras, cujo objetivo é abrir espaço para conversas e ações interdisciplinares a partir da literatura, com a presença de convidados de diferentes áreas.

Relembrando Ricardo Piglia
dia 3/3 - sexta - 18h30 (exibição de filme, seguida de debate)
O escritor argentino Ricardo Piglia, falecido em janeiro de 2017, é um dos principais nomes da literatura contemporânea. Este evento pretende trazer à tona um repertório afetivo de pessoas que o conheceram e que possam falar, com base em suas relações de amizade, sobre trabalho e afinidades literárias. Antes do debate será exibido o filme 327 Cadernos.
mediação: Cadão Volpato (diretor do CCSP, escritor e músico) - com: Joca Reiners Terron, Leandro Sarmatz e Samuel Leon

Sobre os convidados
Joca Reiners Terron - Escritor, editou a coleção Otra Lingua (Rocco), dedicada à literatura hispano-americana. Publicou dez livros, sendo o mais recente o romance Noite dentro da noite, da Companhia das Letras, 2017

Leandro Sarmatz - Mestre em teoria literária pela PUC-RS. Foi editor na Abril, na Ática e na Companhia das Letras. É autor dos livros UMA FOME (Record) e LOGOCAUSTO (Editora da Casa). Colabora na PIAUÍ, na NEXO, e em outros veículos;

Samuel Leon - Editor da Iluminuras, recebeu o Prêmio APCA de Editor do Ano e foi um dos finalistas do Prêmio Estadão Cultural na categoria Fomentador Cultural. Pela EDUSP, publicou um livro sobre a sua trajetória na coleção EDITANDO O EDITOR. Primeiro a publicar Ricardo Piglia fora da Argentina, editou seis de seus livros no Brasil.

Sinopse do filme 327 Cadernos
(327 Cuadernos, 2015, 106min, DCP)
direção: Andrés Di Tella
Ricardo Piglia decide retornar ao seu país natal para lançar um novo olhar sobre os registros escritos diários e cadernos pessoais que mantém há mais de 50 anos, escritos que versam sobre variados temas, assuntos e épocas.

180min - livre - Sala Lima Barreto (99 lugares)
grátis - a bilheteria será aberta uma hora antes do início da sessão para a retirada de ingressos, que não estarão disponíveis pela internet - cada pessoa poderá retirar um par

veja também No dia do evento será realizado o sorteio de quatro livros de autoria de Ricardo Piglia para o público presente

seta subir

 

Conversa com José Luiz Villamarim e Luiz Ruffato
dia 9/3 - quinta - 19h (exibição de filme, seguida de debate)
O Centro Cultural São Paulo exibe o filme Redemoinho, adaptação para o cinema do romance Inferno Provisório, e convida para uma conversa com o diretor José Luiz Villamarim e o escritor Luiz Ruffato sobre a relação entre suas obras, que narram o reencontro de dois amigos na véspera de Natal, no interior de Minas Gerais. O cineasta comentará sobre a experiência de realizar seu primeiro longa-metragem, que tem no elenco Irandhir Santos, Julio Andrade, Cássia Kis Magro e Dira Paes, e o autor falará acerca da nova edição “revista, reescrita, reestruturada e definitiva” de seu livro.

Sobre os convidados
Luiz Ruffato - Nasceu em Cataguases (MG), em 1961. Lançou os romances Eles eram muitos cavalos (2001), As máscaras singulares (poemas, 2002), Estive em Lisboa e lembrei de você (2009), Flores artificiais (2014), Minha primeira vez (2014, crônicas), De mim já nem se lembra (2015) e Inferno provisório (2016). Seus livros ganharam os prêmios Machado de Assis, APCA, Jabuti e Casa de las Américas. Em 2016, recebeu o Prêmio Internacional Hermann Hesse, na Alemanha. Mantém uma coluna semanal no jornal El Pais – Brasil e é consultor de literatura no Instituto Itaú Cultural.

José Luiz Villamarim - Redemoinho é a estreia no cinema do diretor, porém, na televisão, onde iniciou sua carreira, realizou novelas e minisséries para a TV Globo, destacando-se na faixa de horário das 23 horas. Realizou O canto da sereia (2013), Amores roubados (2014) e O rebu (2014) e a aclamada Justiça, entre outras.

180min - livre - Sala Lima Barreto (99 lugares)
grátis - a bilheteria será aberta uma hora antes do início da sessão para a retirada de ingressos, que não estarão disponíveis pela internet - cada pessoa poderá retirar um par

seta subir

 

Psicanálise
dia 20/4 - quinta - 20h
O psicanalista Christian Dunker apresenta seu novo livro, Falando nisso (Zagodoni, 2017), textos selecionados que são transcrições das intervenções orais de seu canal de mesmo nome, no YouTube. Um dos desafios desses vídeos é de despertar o interesse do público no estudo da psicanálise de modo coloquial, leve e, às vezes, provocativo. O livro é tanto para quem tem curiosidade pelo campo psicanalítico como para quem já possui uma trajetória na psicanálise. Além da palestra com o autor e lançamento de seu novo livro, haverá um pocket show com a banda Idéias de um canário.

Sobre o convidado
Christian Ingo Lenz Dunker - Nascido em 1966, é psicanalista, Professor Titular em Psicanálise e Psicopatologia do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da USP. Fez pós-doutorado na Manchester Metropolitan University e é Analista Membro de Escola (AME) do Fórum do Campo Lacaniano. Coordenador do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da USP (Latesfip). Autor de Estrutura e Constituição da Clínica Psicanalítica (vencedor do prêmio Jabuti 2012), Mal-estar, sofrimento e sintoma (2015), A psicose na criança (Zagodoni, 2013), Por que Lacan? (Zagodoni, 2016). Articulista e colaborador regular de diversos jornais e revistas, dedica-se à pesquisa sobre clínica psicanalítica de orientação lacaniana e suas relações com as ciências da linguagem e com a filosofia.

120min - livre - Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

seta subir

 

Semana MáriOswald – 100 anos de uma amizade

Na última semana de abril, o Centro Cultural São Paulo apresenta uma programação especial que destaca as personalidades de Mário de Andrade e Oswald de Andrade e a influência da obra e do pensamento de ambos para a cultura nacional até os dias atuais. O evento contará com rodas de conversa, mostra de filmes, exposição, apresentações musicais e espetáculos de teatro e dança.


AÇÃO EDUCATIVA

Missão de Pesquisas no CCSP
de 5/4 a 31/5 - quartas - 14h30
Uma visita mediada para que o público possa conhecer um pouco sobre a Missão de Pesquisas Folclóricas – idealizada por Mário de Andrade, e realizada, em 1938, por Luís Saia, Martin Braunwieser, Benedicto Pacheco e Antônio Ladeira – e testar a reprodução de uma experiência semelhante no CCSP. A partir de uma observação atenta poderá descobrir a diversidade de espaços, de pessoas, de práticas e de sons que habitam o Centro Cultural. O participante receberá uma réplica da caderneta usada pela equipe da Missão, que vai servir de apoio para a atividade.

120min - público: de 6 a 14 anos
grátis - informações sobre agendamento pelo e-mail: visitasccsp@prefeitura.sp.gov.br

seta subir

 

ARTES VISUAIS E EXPOSIÇÕES

MáriOswald
de 25/4 a 30/7
A exposição MáriOswald integra a Semana MáriOswald - 100 anos de uma amizade, uma programação especial do Centro Cultural São Paulo que homenageia dois ícones da cultura brasileira: Mário e Oswald de Andrade. O encontro entre ambos, em 1917, culminou na revolucionária Semana de 22. Sendo a cidade de São Paulo o território da experiência modernista e repositório desse residual simbólico, a mostra evidencia, por meio de obras e documentos pertencentes aos acervos da Secretaria Municipal de Cultura – como Coleção de Arte da Cidade, Coleção Arquivo Multimeios e Acervo Histórico da Discoteca Oneyda Alvarenga, sob guarda do CCSP –, a ‘contribuição milionária’ de Mário e Oswald. A exposição apresenta, entre outras obras, a série de desenhos originais de Tarsila do Amaral para o livro Pau Brasil (1925), de Oswald de Andrade, publicações como revista Klaxon, objetos e documentos da Missão de Pesquisas Folclóricas (1938) – expedição idealizada e organizada por Mário de Andrade no período em que ele esteve à frente do Departamento de Cultura de São Paulo – e expõe, sobretudo por meio de fotografias, audiovisual e impressos, a permanência de suas ideias e a potência de suas obras enquanto norte para demais linguagens artísticas, como O rei da vela, peça de Oswald de Andrade, sob direção de José Celso Martinez, 1967, e Macunaíma, adaptação da obra de Mário de Andrade para o teatro, sob direção de Antunes Filho, 1977.
Curadoras de artes visuais: Maria Adelaide Pontes e Nathalie Schreckenberg - arquiteta de exposições: Claudia Afonso - estagiário: Guilherme Teixeira - Coleção de Arte Arte da Cidade: Camila Romano (coordenação) e Claudia Lameirinha Bianchi (conservação) - Arquivo Multimeios: Marta Paolicchi (coordenação) e Andrea Morellatto (conservação - Acervo Histórico da Discoteca Oneyda Alvarenga: Wilma Martins de Oliveira (coordenação) - montagem: Equipe de Manutenção e Marcenaria do CCSP - montagem fina: Ladum produção e montagem - apoio: Associação Amigos do Centro Cultural São Paulo

abertura: dia 25/4, terça, às 19h
terça a sexta, das 10h às 20h, sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h - Sala Tarsila do Amaral
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

 

Antropofagia
de 28/4 a 28/5
Por meio de exposição de fotos, projeções videográficas, objetos, interpretações musicais inspiradas em Mário e Oswald de Andrade, a instalação artística multimídia Antropofagia proporciona ao público uma experiência poética que sobrepõe realidades - a virtual e a presencial - e conecta diferentes instantes temporais.
concepção, direção e arte multimídia: Cássia Aranha - participações especiais: Pergy Grassy (canto lírico) e Angela Volcov (piano) - atrizes: Lizette Negreiros e Teca Sper

terça a sexta, das 10h às 20h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h - livre - Piso Flávio de Carvalho
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

seta subir

 

CINEMA

Mário Cinéfilo
de 25 a 30/4
A mostra busca desvendar uma das inúmeras facetas do escritor Mário de Andrade por meio de seu trabalho como crítico de cinema, baseado em suas publicações na revista Klaxon. Mário Cinéfilo irá exibir os filmes citados por Mário com alguns filmes exibidos em formato 16mm, além de homenagear as adaptações cinematográficas de suas histórias publicadas. Estarão presentes no catálogo as poucas críticas que o artista escreveu na revista. Junto à mostra exibiremos a louca biografia de Oswald de Andrade, O homem do pau-brasil, filmada por Joaquim Pedro de Andrade, e a peça O rei da vela, dirigida por Zé Celso.

No dia 29/4, após a exibição de Macunaíma, haverá uma aula-palestra com Carlos Augusto Machado Calil - cineasta, crítico e ensaísta, professor do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Escola de Comunicação e Artes da USP. Ocupou cargos públicos muito cedo: foi assessor de Sábato Magaldi na Secretaria da Cultura de 1975 a 1979, diretor da Embrafilme de 1979 a 1986, organizou a Cinemateca em 1987 junto com Paulo Emílio Salles Gomes e, em 2005, assumiu a Secretaria da Cultura da Prefeitura Municipal de São Paulo.

Sala Lima Barreto (99 lugares)
R$2,00 às terças, quartas, quintas e sextas, para as duas primeiras sessões do dia, e R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia) para as sessões noturnas e para as que acontecem aos sábado e domingos - a bilheteria será aberta uma hora antes do início de cada sessão para a retirada de ingressos, que não estarão disponíveis pela internet

Programação

dia 25/4 - terça

18h
Esposas ingênuas

20h
Frame Circus e os filmes de Mário de Andrade

 

dia 26/4 - quarta

18h
O homem mosca

20h
O homem do pau-brasil

 

dia 27/4 - quinta

15h
O garoto

17h
Macunaíma

19h
Esposas ingênuas

 

dia 28/4 - sexta

16h
O garoto

18h
O homem do pau-brasil

20h
Lírio partido

 

dia 29/4 - sábado

15h
Macunaíma

avisoApós a exibição do filme, haverá aula-palestra com Carlos Augusto Calil

19h
O homem mosca

 

dia 30/4 - domingo

15h30
O rei da vela

20h30
Frame Circus e os filmes de Mário de Andrade

 

Sinopses e fichas técnicas

Esposas ingênuas
(Foolish Wives, EUA, 1922, 117min, digital, livre)
direção: Eric von Stroheim - elenco: Maude George, Mae Busch, Miss Dupont
O falso conde russo Karanzim vive em Monte Carlo com seus primos e se sustenta do dinheiro que ele recebe de mulheres ricas, que ficam encantadas com o seu charme e sua postura aristocrática. Ele migrou para a França depois da Segunda Guerra Mundial, e passou a levar a vida dando golpes. Dessa vez vai tentar se dar bem com a senhora Hughes, a esposa do novo embaixador norte-americano.

Frame Circus e os filmes de Mário de Andrade
O projeto Frame Circus nasceu como um exercício de composição e criação, quando Paulo Beto musicou alguns filmes clássicos. O grupo se completou com a entrada de Tatá Aeroplano e Maurício Fleury, em 2006. Devido à experiência de Paulo Beto com música eletrônica, o trabalho tem uma forte presença de sintetizadores, drum machine, sampler e bases sequenciadas. Frame Circus e os filmes de Mário de Andrade apresenta uma criação experimental ao vivo a partir de filmes presentes na mostra e de outros materiais, como gravações em vídeo em que vemos o próprio Mário de Andrade e registros de sua voz, além de excertos da animação Paulicéia, de Paulo Muppet, Céu D'Ellia e Luciana Eguti.

O garoto
(The Kid, EUA, 1921, 50min, digital, livre)
direção: Charles Chaplin - elenco: Charles Chaplin, Jackie Coogan, Edna Purviance
Uma mãe solteira deixa um hospital de caridade com seu filho recém-nascido. Ela percebe que não pode dar conforto para seu filho e o deixa no banco de trás de um luxuoso carro. Entretanto, o veículo é roubado por dois ladrões, que o abandonam no na rua. Um vagabundo o encontra, tenta se livrar dele, mas diversos fatores sempre o impedem e, gradativamente, ele passa a amá-lo. A mãe se arrepende e tenta reencontrar seu filho, mas quando descobre que o carro foi roubado, pensa que nunca mais verá sua criança.

O homem do pau-brasil
(Brasil,1982, 112min, 35mm, livre)
direção: Joaquim Pedro de Andrade - elenco: Ítala Nandi, Flavio Galvão, Regina Duarte
Louca biografia de Oswald de Andrade, um dos principais nomes da Semana de Arte Moderna de 1922. Polêmico, mulherengo, criativo e estudioso, o escritor viaja pelo mundo acumulando ideias, confusões e amores.

O homem mosca
(Safety Last!, EUA, 1923, 70min, digital, livre)
direção: Fred C. Newmeyer - elenco: Harold Lloyd, Bill Strother, Mildred Davis
Um garoto do interior vive grandes confusões morando na cidade grande.

Lírio partido
(Broken Blossoms or The Yellow Man and the Girl, EUA, 1919, 90min, digital, livre)
direção: D.W. Griffith - elenco: Lillian Gish, Donald Crisp, Richard Barthelmess
Cheng Huan é um missionário que tenta passar os ensinamentos de Buda para os anglo-saxões. Quando vai para a Inglaterra, ele é recebido com apatia e acaba indo trabalhar em uma loja. Lá ele conhece Lucy Borrows, uma menina de 15 anos que apanha do pai e por quem se apaixona.

Macunaíma
(Brasil, 1969, 108min, 35mm, livre)
direção: Joaquim Pedro de Andrade - elenco: Grande Otelo, Paulo José, Jardel Filho
Macunaíma é um herói preguiçoso, safado e sem nenhum caráter. Ele nasceu na selva, negro, mas virou branco. Depois de adulto deixa o sertão em companhia dos irmãos e vive aventuras na cidade. Macunaíma ama guerrilheiras e prostitutas, enfrenta vilões milionários, policiais e personagens de todos os tipos.

O rei da vela
(Brasil, 160min, 16mm, livre)
direção: José Celso Martinez Correa e Noilton Nunes
A peça e a revolucionária encenação do Teatro Oficina relatam: o rei Abelardo I agoniza; seu secretário, Abelardo II, quer subir no poder; o povo, enjaulado, delira. O filme acrescenta: os rituais de passagem da Oficina à Uzyna, a preparação do projeto Fronteiras e os filmes amadores dos pais dos realizadores.

seta subir

 

DANÇA

Curta-documentário Marília de Andrade e Resultado cênico do Estudo coreográfico de pesquisa prática-teórica (Curso de Dança da Universidade Anhembi Morumbi)
dia 29/4 - sábado - 21h
Marília de Andrade, ou melhor, Antonieta Marília de Oswald de Andrade, é filha de Oswald. Iniciou na Dança ainda criança pelas mãos de seu pai. E se Isadora Duncan – Mãe da Dança Moderna mundial – teve sua história cruzada com a de Oswald de Andrade, Marília tem parte de sua vida em devoção a ela. Influência ou acaso? Você poderá acompanhar esse relato e outras histórias no curta-documentário que retrata várias de suas faces: Marília filha, Marília bailarina, Marília personalidade da dança, Marília de Isadora.
Além da exibição do curta-documentário, será apresentado o resultado cênico do Estudo coreográfico de pesquisa prática-teórica, desenvolvido pelos alunos do curso de dança da Universidade Anhembi Morumbi, sob orientação da professora Valéria Cano Bravi. Nathalia Catharina assina a dramaturgia do trabalho, que foi idealizado e concebido especialmente para o evento, após parceria com a Universidade Anhembi Morumbi e o Centro Cultural São Paulo, com o intuito de valorizar a produção – desde a fase de formação – de trabalhos cênicos atuais, a partir de propostas temáticas definidas e que extrovertam e alimentem o acervo da dança, garantindo o seu registro na História.

Espaço Missão
grátis - a bilheteria será aberta duas horas antes do início dos eventos para a retirada de ingressos, que não estarão disponíveis pela internet - cada pessoa poderá retirar até um par

 

Giro pela dança
dia 30/4 - domingo - 15h
Encerrando o evento Abril pra Dança, promovido pela Prefeitura de São Paulo em comemoração ao Dia Internacional da Dança, será realizado um flashmob no CCCSP que reunirá a São Paulo Companhia de Dança e outros três grupos de distintas vertentes da dança. A Companhia apresentará um trecho da obra Pivô, de Fabiano Lima, que se vale de referências do basquete, do hip hop e da dança contemporânea e da música de Carlos Gomes. Cada grupo convidado apresentará entre três e cinco minutos de seu espetáculo e, em seguida, convidam a plateia para dançar, criando uma grande dança coral.
com: São Paulo Companhia de Dança

saiba mais Sobre a São Paulo Companhia de Dança
Criada em 2008 pelo Governo do Estado de SPCD - gerida pela Associação Pró-Dança - é dirigida por Inês Bogéa, doutora em Artes, bailarina, documentarista, escritora e professora do curso de especialização Arte na Educação: Teoria e Prática da USP. A São Paulo é uma companhia de repertório. Ou seja, realiza montagens de excelência artística que incluem trabalhos dos séculos 19, 20 e 21 de grandes peças clássicas e modernas e obras contemporâneas especialmente criadas por coreógrafos nacionais e internacionais.

30min - Áreas de Convivência
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

seta subir

 

DEBATES E PALESTRAS

Mesa Legado
dia 26/4 - quarta - 19h30
Abrangendo várias linguagens artísticas, no campo da literatura a Semana MáriOswald - 100 anos de uma amizade apresentará a mesa Legado, com a presença dos escritores Luiz Ruffato e Cristovão Tezza e mediação de Iumna Maria Simon, que discutirão sobre as influências de Mário e Oswald de Andrade em suas escritas, bem como na literatura brasileira contemporânea.

120min - livre - Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

aviso Antes da mesa, haverá a intervenção Esbarro - O encontro de Oswald e Mário de Andrade, às 19h, com José Rubens Chachá e Pascoal da Conceição

saiba mais Sobre os convidados

Luiz Ruffato – Nasceu em Cataguases (MG), em 1961. Lançou Eles eram muitos cavalos (2001), Estive em Lisboa e lembrei de você (2009), Flores artificiais (2014), De mim já nem se lembra (2015) e Inferno provisório (2016), todos romances; As máscaras singulares (poemas, 2002) e Minha primeira vez (2014, crônicas). Seus livros ganharam os prêmios Machado de Assis, APCA, Jabuti e Casa de las Américas. Em 2016, recebeu o Prêmio Internacional Hermann Hesse, na Alemanha. Mantém uma coluna semanal no jornal El Pais – Brasil e é consultor de literatura no Instituto Itaú Cultural.

Cristovão Tezza - Escritor, publicou uma dezena de obras, entre elas os romances Trapo, Uma noite em Curitiba, Juliano Pavollini, Aventuras Provisórias, A suavidade do vento, O fantasma da infância, Breve Espaço, O fotógrafo, O filho eterno, Um erro emocional, além do livro de contos Beatriz (2011) e do ensaio O espírito da prosa (2012), sua autobiografia literária. Em 2014 publicou o romance O professor, e em 2016 A tradutora, seu mais recente trabalho. Toda a sua obra vem sendo publicada pela Editora Record. É autor também de duas coletâneas de crônicas: Um operário em férias (2013) e A máquina de caminhar (2016). Sua bibliografia completa pode ser vista no seu site na internet: www.cristovaotezza.com.br/p_obras.htm.

Iumna Maria Simon - Doutora em Literatura Brasileira pela UNESP e pós-doutorado em Literatura Brasileira e Literatura Comparada pela Universidade de Yale. Foi professora de Literatura Brasileira na UNESP, professora-visitante no Departamento de Espanhol e Português da Universidade de Yale/EUA e professora de Teoria Literária e Literatura Brasileira na Universidade Estadual de Campinas (1979-1995). Atualmente é professora de Teoria Literária e Literatura Comparada na USP. Suas principais linhas de pesquisa são literatura e sociedade, formas e gêneros literários, teorias críticas, cultura e história literária, poesia moderna, poesia brasileira moderna e contemporânea.

 

Mesa Amizade e Ruptura
dia 27/4 - quinta - 19h30
Para a Semana MáriOswald - 100 anos de uma amizade, a mesa Amizade e Ruptura, com Gênese Andrade e Eduardo Jardim e mediação de Iumna Maria Simon, abordará aspectos da vida e obra de ambos autores e aspectos da profícua amizade e da enigmática ruptura entre os dois.

120min - livre - Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

aviso Antes da mesa, haverá a intervenção Esbarro - O encontro de Oswald e Mário de Andrade, às 19h, com José Rubens Chachá e Pascoal da Conceição

saiba mais Sobre os convidados

Gênese Andrade - Doutora em Literatura Hispano-americana pela USP, pós-doutora em Literatura Comparada pela Unicamp, professora da Faap, pesquisadora e tradutora. Autora de Oswald de Andrade, Feira das Sextas (São Paulo: Globo, 2004) e Pagu / Oswald / Segall (São Paulo: Imesp, 2009), entre outros. Coordenadora editorial, com Jorge Schwartz, da edição atual da obra de Oswald de Andrade, publicada pela Companhia das Letras.

Eduardo Jardim - Graduado em Filosofia, mestrado em Filosofia pela PUC-RJ e doutorado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi professor do Departamento de Filosofia e do Departamento de Letras da PUC do Rio de Janeiro, até 2012. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em História da Filosofia, atuando principalmente nos seguintes temas: filosofia contemporânea, filosofia política, estética, pensamento brasileiro. É autor de Eu sou trezentos - Mário de Andrade - Vida e obra (Edições de Janeiro, 2016).

Iumna Maria Simon - Doutora em Literatura Brasileira pela UNESP e pós-doutorado em Literatura Brasileira e Literatura Comparada pela Universidade de Yale. Foi professora de Literatura Brasileira na UNESP, professora-visitante no Departamento de Espanhol e Português da Universidade de Yale/EUA e professora de Teoria Literária e Literatura Brasileira na Universidade Estadual de Campinas (1979-1995). Atualmente é professora de Teoria Literária e Literatura Comparada na USP. Suas principais linhas de pesquisa são literatura e sociedade, formas e gêneros literários, teorias críticas, cultura e história literária, poesia moderna, poesia brasileira moderna e contemporânea.

 

Mesa Repercussões Expandidas
dia 28/4 - sexta - 19h30
Na dança brasileira o modernismo só se efetivou mais de duas décadas depois, com o surgimento das primeiras companhias nacionais de dança moderna. Dos anos 1920 aos anos 1940 e de 1950 até 2017, o que podemos perceber na dança? O que temos de moderno no nosso contemporâneo? Hoje a nossa dança é mais Mário ou mais Oswald? A professora doutora Cássia Navas, importante pesquisadoras de dança do País, foi convidada para contextualizar essa trajetória e apontar seus tantos questionamentos e reflexões. Já a piscanalista e mediadora da mesa, Carmen Lucia M. Valladares de Oliveira, abordará o pioneirismo de Mário e Oswald de Andrade na difusão da psicanálise no âmbito cultural do Brasil.

120min - livre - Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

saiba mais Sobre os convidados

Cássia Navas – professora de pós-graduação em Artes da Cena/Instituto de Artes/UNICAMP, é graduada em Direito (USP), doutora em dança/semiótica (PUC/SP), pós-doutora em artes (ECA/USP), especialista em gestão/políticas culturais (UNESCO/Université de Dijon/Ministère de la Culture/France). Curadora e consultora de vários programas em dança, foi pesquisadora da Equipe de Artes Cênicas/IDART/Secretaria Municipal de Cultura (SP), coordenadora da REDE Stagium e da Oficina Cultural Oswald de Andrade (São Paulo). Uma de suas pesquisas – Teoria Geral (do Estado) da Dança – aborda temas transdisciplinares entre dança e outras áreas, investigando a construção do sentido nas fronteiras estéticas da arte.

Carlos Augusto Carvalho– ator e diretor. Foi o intérprete de Macunaíma na antológica montagem dirigida por Antunes Filho, estreada em 1978. É reconhecido naquele momento como brilhante revelação de intérprete. Em 1986 protagoniza Meu Tio, o Iauaretê, espetáculo dirigido por Roberto Lage, inspirado no conto de Guimarães Rosa e que o projeta definitivamente como um dos maiores atores brasileiros vivos. O sucesso do espetáculo o leva a se apresentar no Centro per la Sperimentazioni e la Ricerca Teatrale, de Pontedera, Itália, onde é assistido por Grotowski. A partir de então se torna colaborador do Centro como ator e pedagogo. Seguem-se trabalhos importantes, todos centrados em um singular repertório de ator, entre eles: 25 homens, de Plínio Marcos, sob direção de François Kanh; e a Trilogia Pirandelo, dirigida por Roberto Bacci. Neste momento apresenta a montagem 2x2=5, baseada em Memórias do subsolo, de Dostoiévski.

Carmen Lucia M. Valladares de Oliveira - Psicanalista, professora doutora, bacharel em Ciências Sociais pela PUC-SP, mestra em Anthropologie Sociale et Sociologie Comparée pela Université de Paris V - René Descartes, France. Doutora em Sociétés Occidentales pela Université de Paris VII - Denis Diderot. Membro da Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental. Membro da Société Internationale d’Histoire de la Psychiatrie et de la Psychanalyse (SHIPP). Professora do curso de Especialização em Psicologia Clínica: Teoria Psicanalítica da PUC-SP e autora de História da psicanálise (Escuta/FAPESP, 2005).

seta subir

 

INFANTOJUVENIL

Contação de histórias
Agrupamento Teatral
dias 29 e 30/4 - sábado e domingo - 14h30
O Agrupamento Teatral conta histórias desde 2011, a partir de pesquisa sobre a relação do narrador com o público infantil e as diversas formas de narrá-las, com opção poética por histórias que aparecem e reaparecem em diferentes partes do mundo, transformadas pelas características culturais de cada região. Mário de Andrade: será o benedito e Oswald de Andrade: brinquedos reúnem uma série de contações inspiradas em alguns contos e poemas dos dois escritores modernistas.
com: Agrupamento Teatral - grupo formado por Arô Ribeiro, Daniele Marques e René Misumi

60min - livre - Sala de Leitura Infantojuvenil
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

aviso A temporada desta contação de histórias será de 1º a 30/4
aviso Nos dois dias a contação de histórias haverá interpretação em Libras

Intervenção artística
Crenças, mitos, símbolos e... Mário!

dia 29/4 - sábado - 14h
Idealizador das Missões de Pesquisas Folclóricas, Mário de Andrade registrou em suas viagens e em sua obra literária canções, danças, festas e rituais tradicionais brasileiros e afro-brasileiros. Foi a partir desse contato com a obra de Mário que o grupo teatral realizou uma intensa pesquisa sobre ritmos, danças afro-brasileiras, cantos populares, onde encontraram farto material de estudo sobre suas ancestralidades. O que era apenas um conjunto de pessoas com desejo de conhecer suas origens virou o Grupo Clã do Jabuti (nome oriundo de um livro de poemas de Mário). Esse passado rico de descobertas será mostrado ao público, a partir de uma intervenção artística com histórias e musicalidade africana.
Coordenação da intervenção artística: Antonia Mattos - elenco: Luciana Ponce, Jonathan Silva, Éder Lopes, Alexei Ramos, Giselda Perê, Rubens Alexandre, Rômulo Nardes e Edson Silva

90min - livre - Sala Jardel Filho (321 lugares)
grátis - a bilheteria será aberta duas horas antes do início do espetáculo para a retirada de ingressos, que não estarão disponíveis pela internet - cada pessoa poderá retirar um par

seta subir

 

MÚSICA

Conferências
de 25 a 30/4
Cinco conferências com personalidades que se inspiraram nas obras e na dualidade entre Mário e Oswald de Andrade para falar sobre as transformações que acontecem no Brasil de hoje – e como elas veem a importância desses autores em suas obras e na história do Brasil.

Conferência de abertura: Mário e Oswald - amor e inimizade, com José Miguel Wisnik
dia 25/4 - terça - 20h

Ronaldo Fraga (estilista) fala sobre Mário de Andrade, seu mentor intelectual
dia 26/4 - quarta - 21h

Iara Rennó disseca sua versão de Macunaíma
dia 27/4 - quinta - 21h

Elo da Corrente embarca na viagem das Missões
dia 29/4 - sábado - 19h

Tom Zé traça a conexão entre o modernismo, a tropicália e hoje
dia 30/4 - domingo - 18h

Sala Adoniran Barbosa
grátis - a bilheteria será aberta duas horas antes do inícío do evento para a retirada de ingressos, que não estarão disponíveis pela internet - cada pessoa poderá retirar um par

seta subir

 

TEATRO

Esbarro - O encontro de Oswald e Mário de Andrade
dias 26 e 27/4 - quarta e quinta - 19h
Antecedendo os debates Legado e Amizade e ruptura será apresentada a intervenção Esbarro - O encontro de Oswald e Mário de Andrade. No espaço sideral estão os modernistas Oswald e Mário, embalados com músicas de Hermilio Belo de Carvalho e Maurício Tapajós, Braguinha e Alberto Ribeiro e Villa-Lobos.
Pesquisa e textos originais de Mário e Oswald de Andrade com dramaturgia e direção de Pascoal da Conceição - elenco: José Rubens Chachá (Oswald de Andrade) e Pascoal da Conceição (Mário de Andrade) - músicos: Henrique Menezes (cordas) e Ito Alves (percussão)

livre - 20min - Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)
grátis - sem necessidade de retirada de ingressos

avisoEsta intervenção antecede ao debate Legado (dia 26, quarta, às 19h30) e Amizade e ruptura (dia 27, quinta, às 19h30)

 

Manuela
dia 26/4 - quarta - 20h
Manuela é o nome dado por Mário de Andrade à sua máquina de escrever, em homenagem ao escritor Manuel Bandeira. Manuela é a companheira que participa do comprometimento do escritor com as questões brasileiras. Questões que passaram pelo olhar de um artista diverso, preocupado em constatar e revelar o modo de ser do homem brasileiro.
No espetáculo a máquina ganha vida por meio da narrativa e da música, embalada pelo seu encantamento frente à vida e à obra do escritor. Manuela traz para a cena, com lirismo na narrativa, os segredos poéticos desse que será sempre um dos mais destacados intelectuais brasileiros. Em sua estrutura, 19 canções executadas ao piano acompanham a história que apresenta a viagem etnográfica do escritor pelo Nordeste do Brasil, as Missões de Pesquisas Folclóricas de 1938, registradas no livro O turista aprendiz, os trechos da rapsódia de Macunaíma, os poemas comprometidos de Pauliceia desvairada, seu exílio no Rio de Janeiro e a teoria literária presente na sua correspondência com Drummond e Manuel Bandeira. Histórias reais e narrativa fictícia da companheira. Manuela propõe o encontro com esse brasileiro que está presente em nossas formações intelectual e pedagógica. Em 2016 Manuela foi apresentado em 11 Bibliotecas públicas da cidade de São Paulo e em outras tantas escolas do ensino médio e foi de grande importância na aproximação de alunos e leitores do Mário de Andrade existente nos livros, um dos precursores do modernismo brasileiro e autor de Macunaíma, desmistificando a figura do escritor difícil. Manuela acende uma lâmpada e aproxima o espectador da importante diversidade presente na trajetória de Mário de Andrade.
Direção e dramaturgia: VeraLamy - direção musical: Lincoln Antonio - elenco: Vera Lamy e Lincoln Antonio - produção: Fernanda Rapisarda e Vera Lamy

12 anos - 75min - Sala Jardel Filho (321 lugares)
grátis - a bilheteria será aberta duas horas antes do início da apresentação para a retirada de ingressos, que não estarão disponíveis pela internet - cada pessoa poderá retirar um par

seta subir

 

veja também Quer se apresentar no CCSP e nos equipamentos da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo? Clique aqui para saber como enviar sua proposta

ícone facebook
ícone twitter
ícone enciar e-mail
ícone imagens
ícone audio
ícone webrádio
ícone vídeo
destaque
ícone saiba mais
ícone veja também
ícone aviso
ícone obs
audiodescricao
libras
ícone download
endereço eletrônico
ícone inscrições abertas
sem necessidade de inscrição
ícone inscrições encerradas
selecionados
facebook
twitter
boletim
imagens
áudio
lab.rádio
vídeo
destaque
saiba mais
veja também
aviso
obs
audiodescrição
libras
download
www ou email
oficinas
abertas
oficinas com inscrição
inscrições
encerradas
selecionados
 

Divisão de Informação e Comunicação
Direção: Márcio Yonamine
Coordenação: Juliene Codognotto

Conteúdo online
Álvaro Olintho, Danilo Satou, Márcia Dutra, Vinícius Máximo e Sabrina Haick

Imagens - Núcleo de Fotografia do CCSP
Edição de imagens: Sossô Parma
Fotógrafos: João Mussolin, João Silva e Sossô Parma

Materiais impressos
Projeto gráfico: Adriane Bertini ,Solange Azevedo e Yeda Gonçalves
Edição de textos: Camile Rodrigues Aragão Costa, Danilo Satou e Emi Sakai
Revisão: Paulo Vinicio de Brito

Layout e manutenção
Web design: Edmarcio da Silva

Ateliê sonoro
Mediação: Marta Fonterrada e Rodrigo Taguchi
Coordenação técnica: Eduardo Neves

Narrativas CCSP
Coordenação: Chicão Santos
Captação: Celso Toquetti, Giovanni Belleza, José Amador Martins e Thaís Orchi
Edição: Chicão Santos, Giovanni Belleza e Thaís Orchi

Marcia Dutra
Coordenadora do Site  - 11 3397.4066
Divisão de Informação e Comunicação
Rua Vergueiro 1000   -   CEP 01504-000   tel 3397 4002
Paraíso São Paulo – SP