A Discoteca Oneyda Alvarenga do Centro Cultural São Paulo é uma das mais antigas coleções da Secretaria Municipal de Cultura. Data da época em que a Secretaria ainda era o Departamento de Cultura, criado em 1935 por Mário de Andrade numa proposta que trouxe pela primeira vez a ideia de política cultural. No mesmo ano, foram criadas algumas divisões culturais e a Discoteca Pública Municipal, uma seção da Divisão de Expansão Cultural cuja organização ficou a cargo da aluna predileta de Mário de Andrade, natural da cidade mineira de Varginha e que tinha grande interesse pelas manifestações folclóricas e musicais: Oneyda Alvarenga.
A Discoteca esteve localizada em diversos endereços na cidade de São Paulo, como na Rua Florêncio de Abreu, Avenida Brigadeiro Luis Antônio, Rua Catão, até se fixar definitivamente no número 1000 da Rua Vergueiro com a inauguração do Centro Cultural São Paulo em 1982. No ano de 1987, recebeu o nome de Oneyda Alvarenga em homenagem à primeira diretora.
O Departamento de Cultura ficou sob a direção de Mário de Andrade até 1938, mas a Discoteca prosseguiu sob a gestão de Oneyda Alvarenga até 1968. No período em que esteve à frente da Discoteca, Oneyda desenvolveu, na gênese de um serviço biblioteconômico voltado à música, uma catalogação criteriosa do acervo de discos, livros, partituras e monografias.
A iniciativa da criação de um selo fonográfico data de 1937, quando foram produzidas gravações do Coral Paulistano do Teatro Municipal, regido pelo compositor Camargo Guarnieri, entre outras de música erudita brasileira contemporânea.
Na década de 1940, Oneyda idealizou a gravação dos 1230 fonogramas coletados no Norte e no Nordeste do Brasil pela equipe da expedição conhecida como Missão de Pesquisas Folclóricas. Foram produzidos discos de 78 rotações, preservando o mais importante acervo sonoro de músicas de nossas raízes. Esse material foi digitalizado em 2002 com o apoio da Fundação Vitae. Em 2006, parte do acervo foi editada em parceria com o SESC em uma coleção de seis CDs.
A Discoteca foi contemplada no edital do Programa Petrobras Cultural 2004 com o projeto Música Contemporânea Brasileira, que recebeu o incentivo do Ministério da Cultura através da Lei de Incentivo à Cultura nº 8313.
Com o objetivo de recuperação histórica, a Coleção Música Contemporânea Brasileira busca referência no antigo projeto de gravação da música brasileira dos anos 1930 e 1940. Ao mesmo tempo em que o trabalho faz jus à proposta pioneira de Oneyda Alvarenga de registrar a produção musical de sua época, a mesma iniciativa com os recursos tecnológicos atuais possibilita agora gravar a música erudita brasileira que se faz nos dias de hoje.
Assim, a coleção faz uma retrospectiva, olhando para o que foi feito no passado, e uma projetiva, lançando músicas inéditas de cinco relevantes compositores brasileiros da atualidade: Almeida Prado, Edino Krieger, Edmundo Villani-Côrtes, Gilberto Mendes e Rodolfo Coelho de Souza.
O produto cultural do projeto destaca cada compositor com os seguintes materiais: um caderno com o catálogo de obras e textos assinados por personagens do âmbito da cultura e da música; um segundo caderno com a edição de partituras inéditas; um CD anexado à contracapa contendo a gravação dessas partituras com a participação de grandes intérpretes brasileiros.
Neste hotsite, você poderá conhecer um pouco da Coleção Música Contemporânea Brasileira, disponível integralmente para consulta na Discoteca Oneyda Alvarenga e para compra nas livrarias e lojas especializadas por preço incentivado (saiba como adquirir enviando um e-mail para vendas@luamusic.com.br).

Créditos