Página principal

Associação dos Dramaturgos do Nordeste

Texto de Racine Santos

Programação

Programação completa
Versão para impressão
CCSP por dia
CCSP por área
CCBB por dia
CCBB por área

Artigos

A pedra do nosso reino
Dramaturgia nas ruas do Nordeste
Cultural popular e dramaturgia
Boneco

Imagens da mostra

Imagens

Ficha Técnica

Ficha técnica completa

 

Centro Cultural São Paulo - CCSP
Rua Vergueiro 1000, Paraiso São Paulo. CEP:01504-000
(11) 3383-3402
e-mail: ccsp@prefeitura.sp.gov.br

Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB
Rua Álvares Penteado 112. Centro. São Paulo. CEP: 01012-000
(11) 3113-3651/3652
e-mail: ccbbsp@bb.com.br

 

Centro Cultural São Paulo e Centro Cultural Banco do Brasil por dia

dia 4/11 - terça

Como nasce um Cabra da PesteCCSP - Rua Vergueiro, 1000
Abertura - Mostra de espetáculos teatrais no CCSP

21h - pré-estréia
ícone do título Como nasce um Cabra da Peste
De Altimar Pimentel (AL)
(14 anos)
grupo: Agitada Gang - Troupe de Atores e Palhaços da Paraíba - direção: Eliézer Rolim - elenco: Madalena Acciolly, Dadá Venceslau, Edílson Alves
Centrado nos preparativos para o nascimento de uma criança no sertão nordestino, o texto de Altimar Pimentel, baseado na obra etnográfica de Mario Souto Maior, faz um apanhado das crendices, superstições, costumes e mágicas empregadas durante gestação e parto. Transportando para o palco tais situações, em abordagem cômica, o faz de maneira comovente, humana e respeitosa para com o homem do interior e sua cultura. O autor e os atores resgatam da tradição oral e do esquecimento o misticismo, a religiosidade sincrética, a luta pela sobrevivência e a doçura do homem do sertão.
Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Jardel Filho (324 lugares).

 

dia 5/11 - quarta

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Debate - VI Semana do Teatro Nordestino

16h
ícone do título Formas da cultura popular na dramaturgia contemporânea
(14 anos)
com: Luis Alberto de Abreu (SP), Oswald Barroso (CE) e Racine Santos (RN) - mediação:Sebastião Milare (CCSP - SP)
Três dramaturgos e estudiosos da cultura popular, que das manifestações tradicionais
extraem temas e motivos para sua obra dramática, expõem e discutem nessa mesa as
vertentes dramatúrgicas brasileiras que, na atualidade, retomam aspectos da cultura
popular e das manifestações tradicionais.
Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala de Debates
Saiba mais sobre os debatedores

Saiba mais sobre o mediador Sebastião Milaré


CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Lançamento - VI Semana do Teatro Nordestino

18h
ícone do título Lançamento de peças publicadas por autores participantes da Mostra
Piso Caio Graco.

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Mostra de espetáculos teatrais

21h
ícone do título Como nasce um cabra da peste
De Altimar Pimentel (AL)
(14 anos)
grupo: Agitada Gang - Troupe de Atores e Palhaços da Paraíba - direção: Eliézer Rolim - elenco: Madalena Acciolly, Dadá Venceslau, Edílson Alves
Centrado nos preparativos para o nascimento de uma criança no sertão nordestino, o texto de Altimar Pimentel, baseado na obra etnográfica de Mario Souto Maior, faz um apanhado das crendices, superstições, costumes e mágicas empregadas durante gestação e parto. Transportando para o palco tais situações, em abordagem cômica, o faz de maneira comovente, humana e respeitosa para com o homem do interior e sua cultura. O autor e os atores resgatam da tradição oral e do esquecimento o misticismo, a religiosidade sincrética, a luta pela sobrevivência e a doçura do homem do sertão.
Terça e quarta, às 21h - entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Jardel Filho (324 lugares).

 

dia 6/11 - quinta

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Debate - VI Semana do Teatro Nordestino

16h
ícone do título Raízes da moderna dramaturgia nordestina
(14 anos)
com: João Denys (PE), Newton Moreno (SP) e Paulo Vieira (PB) -
mediação:Sebastião Milare (CCSP - SP)
Três nomes expressivos da dramaturgia nordestina contemporânea colocam seus pontos de vista sobre as raízes da moderna dramaturgia no Nordeste, abrindo um debate entre eles e o público sobre o tema.
Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala de Debates.
Saiba mais sobre os debatedores

Saiba mais sobre o mediador Sebastião Milaré


CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Abertura - Mostra de espetáculos teatrais no CCBB

19h30
ícone do título Como nasce um Cabra da Peste
De Altimar Pimentel (AL)
(14 anos)
grupo: Agitada Gang - Trupe de Atores e Palhaços da Paraíba - direção: Eliézer Rolim - elenco: Madalena Acciolly, Dadá Venceslau, Edílson Alves
Centrado nos preparativos para o nascimento de uma criança no sertão nordestino, o texto de Altimar Pimentel, baseado na obra etnográfica de Mario Souto Maior, faz um apanhado das crendices, superstições, costumes e mágicas empregadas durante gestação e parto. Transportando para o palco tais situações, em abordagem cômica, o faz de maneira comovente, humana e respeitosa para com o homem do interior e sua cultura. O autor e os atores resgatam da tradição oral e do esquecimento o misticismo, a religiosidade sincrética, a luta pela sobrevivência e a doçura do homem do sertão.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 7/11 - sexta

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Debate - VI Semana do Teatro Nordestino

16h
ícone do título A encenação contemporânea e formas tradicionais
(14 anos)
com: Lindolfo Amaral (SE), Márcio Aurélio (SP) e Tácito Borralho (MA)
Na atualidade, as formas tradicionais do teatro, seja em manifestações com uso de bonecos (mamulengos e outros) ou com o aproveitamento de códigos de folguedos populares (bumba-meu-boi, marujadas etc.) para a criação de espetáculos de rua, convivem com formas contemporâneas do teatro universal. Este é o tema que será discutido por três mestres do nosso teatro, voltados tanto para as formas tradicionais quanto para as linguagens de vanguarda.
Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala de Debates
Saiba mais sobre os debatedores

Saiba mais sobre o mediador Sebastião Milaré

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Lançamento - VI Semana do Teatro Nordestino

18h
ícone do título Lançamento do livro A gargalhada de Ulisses - a catarse da comédia (Ed. Perspectiva), de Cleise Furtado Mendes (BA).
Piso Caio Graco.

LesadosCCSP - Rua Vergueiro, 1000
Mostra de espetáculos teatrais

21h
ícone do título Lesados
(14 anos)
De Rafael Martins (CE)
grupo: Bagaceira de Teatro (CE) - direção: Yuri Yamamoto - elenco: Tatiana Amorim, Fabio Vieira, Démick Lopes, Rogério Mesquita
Lesados fala da solidão. Seus personagens não conseguem conviver entre si, por um longo período, e não conseguem ficar sozinhos. São seres divididos, desunificados, verdadeiros cacos humanos que se misturam na tentativa de suportar a própria existência. São quatro alguma coisa ou, quem sabe, quatro coisa alguma. Eternamente estáticos e com imenso tédio. Em absoluto silêncio permanecem por muito tempo, até que resolvem sair, chegar ao fim. Mas, sair para onde? Como chegar ao fim? O que é o fim? E para quê sair?
Sexta e sábado, às 21h; domingo às 20h - Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Jardel Filho (324 lugares).

 

8/11 - sábado

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Leitura dramática

16h
ícone do título O Romance do Conquistador
de Lurdes Ramalho (PB), pela Agitada Gang
A autora Lourdes Ramalho resgata a leitura dos cordéis, trazendo à cena o universo sobrenatural das feiras nordestinas na figura de João, vendedor ambulante de folhetos. Faminto, inclusive de afetos, João se faz de médico, político e padre para vender sua obra.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Como nasce um Cabra da Peste
De Altimar Pimentel (AL)
(14 anos)
grupo: Agitada Gang - Trupe de Atores e Palhaços da Paraíba - direção: Eliézer Rolim - elenco: Madalena Accioly, Dada Venceslau, Edilson Alves
Centrado nos preparativos para o nascimento de uma criança no sertão nordestino, o texto de Altimar Pimentel, baseado na obra etnográfica de Mario Souto Maior, faz um apanhado das crendices, superstições, costumes e mágicas empregadas durante gestação e parto. Transportando para o palco tais situações, em abordagem cômica, o faz de maneira comovente, humana e respeitosa para com o homem do interior e sua cultura. O autor e os atores resgatam da tradição oral e do esquecimento o misticismo, a religiosidade sincrética, a luta pela sobrevivência e a doçura do homem do sertão.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Mostra de espetáculos teatrais

21h
ícone do título Lesados
(14 anos)
De Rafael Martins (CE)
grupo: Bagaceira de Teatro (CE) - direção: Yuri Yamamoto - elenco: Tatiana Amorim, Fabio Vieira, Démick Lopes, Rogério Mesquita
Lesados fala da solidão. Seus personagens não conseguem conviver entre si, por um longo período, e não conseguem ficar sozinhos. São seres divididos, desunificados, verdadeiros cacos humanos que se misturam na tentativa de suportar a própria existência. São quatro alguma coisa ou, quem sabe, quatro coisa alguma. Eternamente estáticos e com imenso tédio. Em absoluto silêncio permanecem por muito tempo, até que resolvem sair, chegar ao fim. Mas, sair para onde? Como chegar ao fim? O que é o fim? E para quê sair?
Sexta e sábado, às 21h; domingo às 20h - - entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Jardel Filho (324 lugares)

 

9/11 - domingo

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Demonstração de trabalho

16h
ícone do título Agitada Gang - Troupe de Atores e Palhaços da Paraíba
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

18h
ícone do título Como nasce um Cabra da Peste
De Altimar Pimentel (AL)
(14 anos)
grupo: Agitada Gang - Troupe de Atores e Palhaços da Paraíba - direção: Eliézer Rolim - elenco: Madalena Acciolly, Dadá Venceslau, Edílson Alves
Centrado nos preparativos para o nascimento de uma criança no sertão nordestino, o texto de Altimar Pimentel, baseado na obra etnográfica de Mario Souto Maior, faz um apanhado das crendices, superstições, costumes e mágicas empregadas durante gestação e parto. Transportando para o palco tais situações, em abordagem cômica, o faz de maneira comovente, humana e respeitosa para com o homem do interior e sua cultura. O autor e os atores resgatam da tradição oral e do esquecimento o misticismo, a religiosidade sincrética, a luta pela sobrevivência e a doçura do homem do sertão.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Mostra de espetáculos teatrais

20h
ícone do título Lesados
(14 anos)
De Rafael Martins (CE)
grupo: Bagaceira de Teatro (CE) - direção: Yuri Yamamoto - elenco: Tatiana Amorim, Fabio Vieira, Démick Lopes, Rogério Mesquita
Lesados fala da solidão. Seus personagens não conseguem conviver entre si, por um longo período, e não conseguem ficar sozinhos. São seres divididos, desunificados, verdadeiros cacos humanos que se misturam na tentativa de suportar a própria existência. São quatro alguma coisa ou, quem sabe, quatro coisa alguma. Eternamente estáticos e com imenso tédio. Em absoluto silêncio permanecem por muito tempo, até que resolvem sair, chegar ao fim. Mas, sair para onde? Como chegar ao fim? O que é o fim? E para quê sair?
Sexta e sábado, às 21h; domingo às 20h - - entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Jardel Filho (324 lugares)

 

dia 13/11 - quinta

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Lesados
(14 anos)
De Rafael Martins (CE)
grupo: Bagaceira de Teatro (CE) - direção: Yuri Yamamoto - elenco: Tatiana Amorim, Fabio Vieira, Démick Lopes, Rogério Mesquita
Lesados fala da solidão. Seus personagens não conseguem conviver entre si, por um longo período, e não conseguem ficar sozinhos. São seres divididos, desunificados, verdadeiros cacos humanos que se misturam na tentativa de suportar a própria existência. São quatro alguma coisa ou, quem sabe, quatro coisa alguma. Eternamente estáticos e com imenso tédio. Em absoluto silêncio permanecem por muito tempo, até que resolvem sair, chegar ao fim. Mas, sair para onde? Como chegar ao fim? O que é o fim? E para quê sair?
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 14/11 - sexta

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Lesados
(14 anos)
De Rafael Martins (CE)
grupo: Bagaceira de Teatro (CE) - direção: Yuri Yamamoto - elenco: Tatiana Amorim, Fabio Vieira, Démick Lopes, Rogério Mesquita
Lesados fala da solidão. Seus personagens não conseguem conviver entre si, por um longo período, e não conseguem ficar sozinhos. São seres divididos, desunificados, verdadeiros cacos humanos que se misturam na tentativa de suportar a própria existência. São quatro alguma coisa ou, quem sabe, quatro coisa alguma. Eternamente estáticos e com imenso tédio. Em absoluto silêncio permanecem por muito tempo, até que resolvem sair, chegar ao fim. Mas, sair para onde? Como chegar ao fim? O que é o fim? E para quê sair?
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 15/11 - sábado

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Lesados
(14 anos)
De Rafael Martins (CE)
grupo: Bagaceira de Teatro (CE) - direção: Yuri Yamamoto - elenco: Tatiana Amorim, Fabio Vieira, Démick Lopes, Rogério Mesquita
Lesados fala da solidão. Seus personagens não conseguem conviver entre si, por um longo período, e não conseguem ficar sozinhos. São seres divididos, desunificados, verdadeiros cacos humanos que se misturam na tentativa de suportar a própria existência. São quatro alguma coisa ou, quem sabe, quatro coisa alguma. Eternamente estáticos e com imenso tédio. Em absoluto silêncio permanecem por muito tempo, até que resolvem sair, chegar ao fim. Mas, sair para onde? Como chegar ao fim? O que é o fim? E para quê sair?
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Leitura dramática

16h
ícone do título Meire Love - Uma Tragédia Lúdica
de Suzy Elida (CE), pelo Grupo Bagaceira, de Fortaleza.
Peça que aborda a exploração infantil, explorando a "cearensidade" na prosódia dos personagens, o que dá um ar aparentemente cômico à leitura. Mas, aos poucos, a atmosfera sufocante começa a dominar, expondo um ambiente cruel e dolorido em que nem todos têm o direito de sonhar.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 16/11 - domingo

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Demonstração de trabalho

16h
ícone do título Grupo Bagaceira (CE)
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

18h
ícone do título Lesados
(14 anos)
De Rafael Martins (CE)
grupo: Bagaceira de Teatro (CE) - direção: Yuri Yamamoto - elenco: Tatiana Amorim, Fabio Vieira, Démick Lopes, Rogério Mesquita
Lesados fala da solidão. Seus personagens não conseguem conviver entre si, por um longo período, e não conseguem ficar sozinhos. São seres divididos, desunificados, verdadeiros cacos humanos que se misturam na tentativa de suportar a própria existência. São quatro alguma coisa ou, quem sabe, quatro coisa alguma. Eternamente estáticos e com imenso tédio. Em absoluto silêncio permanecem por muito tempo, até que resolvem sair, chegar ao fim. Mas, sair para onde? Como chegar ao fim? O que é o fim? E para quê sair?
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 20/11 - quinta

Deus DanadoCCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Deus Danado
(14 anos)
De João Denys (RN)
grupo: Teatro Arte-em-Cena (PE) - direção: Nildo Garbo - elenco: Severino Florêncio, Rafael Amâncio, Welba Sionara
Dois homens, Teodoro e Luiz, vivem o drama de atravessar 13 jornadas entre o claro e o escuro, cercados da seca que destrói e resseca, muito mais do que a terra árida do sertão. "A seca destrói outras culturas e a natureza do homem aniquila o próprio homem: o coloca diante do silêncio aborrecido de Deus". A peça utiliza como pano de fundo a questão social da seca no sertão para falar de uma relação familiar que envolve amor e poder, além de colocar o homem diante de seus dramas universais, como a solidão, o vazio da existência humana e a busca por um sonho.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 21/11 - sexta

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Deus Danado
(14 anos)
De João Denys (RN)
grupo: Teatro Arte-em-Cena (PE) - direção: Nildo Garbo - elenco: Severino Florêncio, Rafael Amâncio, Welba Sionara
Dois homens, Teodoro e Luiz, vivem o drama de atravessar 13 jornadas entre o claro e o escuro, cercados da seca que destrói e resseca, muito mais do que a terra árida do sertão. "A seca destrói outras culturas e a natureza do homem aniquila o próprio homem: o coloca diante do silêncio aborrecido de Deus". A peça utiliza como pano de fundo a questão social da seca no sertão para falar de uma relação familiar que envolve amor e poder, além de colocar o homem diante de seus dramas universais, como a solidão, o vazio da existência humana e a busca por um sonho.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 22/11 - sábado

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Leitura dramática

16h
ícone do título Aparição e Vagabundo
de Vital Santos (PE), pelo Grupo de Teatro Arte-em-Cena
Esta peça, escrita em 1971, ficou muito tempo interditada pela censura. Na história, dois marginais (Aparição e Vagabundo) recolhem-se para dormir nos escombros da igreja. No cabaré ao lado, uma orquestra de violinos formada por sete senhoritas toca lindas e alegres canções francesas da época da Guerra.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 22/11 - sábado

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Deus Danado
(14 anos)
De João Denys (RN)
grupo: Teatro Arte-em-Cena (PE) - direção: Nildo Garbo - elenco: Severino Florêncio, Rafael Amâncio, Welba Sionara
Dois homens, Teodoro e Luiz, vivem o drama de atravessar 13 jornadas entre o claro e o escuro, cercados da seca que destrói e resseca, muito mais do que a terra árida do sertão. "A seca destrói outras culturas e a natureza do homem aniquila o próprio homem: o coloca diante do silêncio aborrecido de Deus". A peça utiliza como pano de fundo a questão social da seca no sertão para falar de uma relação familiar que envolve amor e poder, além de colocar o homem diante de seus dramas universais, como a solidão, o vazio da existência humana e a busca por um sonho.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 23/11 - domingo

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Demonstração de trabalho

16h
ícone do título Grupo de Teatro Arte-em-Cena (PE)
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

18h
ícone do título Deus Danado
(14 anos)
De João Denys (RN)
grupo: Teatro Arte-em-Cena (PE) - direção: Nildo Garbo - elenco: Severino Florêncio, Rafael Amâncio, Welba Sionara
Dois homens, Teodoro e Luiz, vivem o drama de atravessar 13 jornadas entre o claro e o escuro, cercados da seca que destrói e resseca, muito mais do que a terra árida do sertão. "A seca destrói outras culturas e a natureza do homem aniquila o próprio homem: o coloca diante do silêncio aborrecido de Deus". A peça utiliza como pano de fundo a questão social da seca no sertão para falar de uma relação familiar que envolve amor e poder, além de colocar o homem diante de seus dramas universais, como a solidão, o vazio da existência humana e a busca por um sonho.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 25/11 - terça

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Deus danado
(14 anos)
De João Denys (RN)
grupo: Teatro Arte-em-Cena (PE) - direção: Nildo Garbo - elenco: Severino Florêncio, Rafael Amâncio, Welba Sionara
Dois homens, Teodoro e Luiz, vivem o drama de atravessar 13 jornadas entre o claro e o escuro, cercados da seca que destrói e resseca, muito mais do que a terra árida do sertão. "A seca destrói outras culturas e a natureza do homem aniquila o próprio homem: o coloca diante do silêncio aborrecido de Deus". A peça utiliza como pano de fundo a questão social da seca no sertão para falar de uma relação familiar que envolve amor e poder, além de colocar o homem diante de seus dramas universais, como a solidão, o vazio da existência humana e a busca por um sonho.
Terça e quarta, às 19h30 - Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Adoniran Barbosa (300 lugares).

 

dia 26/11 - quarta

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Deus danado
(14 anos)
De João Denys (RN)
grupo: Teatro Arte-em-Cena (PE) - direção: Nildo Garbo - elenco: Severino Florêncio, Rafael Amâncio, Welba Sionara
Dois homens, Teodoro e Luiz, vivem o drama de atravessar 13 jornadas entre o claro e o escuro, cercados da seca que destrói e resseca, muito mais do que a terra árida do sertão. "A seca destrói outras culturas e a natureza do homem aniquila o próprio homem: o coloca diante do silêncio aborrecido de Deus". A peça utiliza como pano de fundo a questão social da seca no sertão para falar de uma relação familiar que envolve amor e poder, além de colocar o homem diante de seus dramas universais, como a solidão, o vazio da existência humana e a busca por um sonho.
Terça e quarta, às 19h30 -
Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Adoniran Barbosa (300 lugares)

 

dia 27/11 - quinta

Sinhá FlorCCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Sinhá Flor
De Eliézer Rolin (PB) - grupo: Cia. Sírius de Teatro (PB) - direção: do Autor - elenco: Crizelide Barros, Celsa Monteiro, Fátima França, Walmar Pessoa - contra-regras: Frank Burity e Thiago Henriques.
Duas velhas, Sinhá e Flor se encontram no fundo de quintal de um asilo. Uma, ex-mãe de família, a outra boêmia, ex-prostituta, fogem da perseguição da morte e esperam visitas que nunca chegam. Humoradas e divertidas, revivem o passado, enquanto tomam os chás das folhas de uma laranjeira morta do quintal. Grande amizade nasce da ausência de pessoas. Elas conversam sobre assuntos polêmicos como sexo, amor, e, no meio dos presságios e pesadelos que beiram a morte, Sinhá descobre em Flor a mulher que roubou o seu marido.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 28/11 - sexta

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Sinhá Flor
De Eliézer Rolin (PB) - grupo: Cia. Sírius de Teatro (PB) - direção: do Autor - elenco: Crizelide Barros, Celsa Monteiro, Fátima França, Walmar Pessoa - contra-regras: Frank Burity e Thiago Henriques.
Duas velhas, Sinhá e Flor se encontram no fundo de quintal de um asilo. Uma, ex-mãe de família, a outra boêmia, ex-prostituta, fogem da perseguição da morte e esperam visitas que nunca chegam. Humoradas e divertidas, revivem o passado, enquanto tomam os chás das folhas de uma laranjeira morta do quintal. Grande amizade nasce da ausência de pessoas. Elas conversam sobre assuntos polêmicos como sexo, amor, e, no meio dos presságios e pesadelos que beiram a morte, Sinhá descobre em Flor a mulher que roubou o seu marido.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 29/11 - sábado

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112|
Leitura dramática

16h
ícone do título À Luz da Lua os Punhais
de Racine Santos (RN), pela Cia. Sirius de Teatro (PB).
Poema dramático escrito em ritmo de balada, centrado no cangaço e suas conseqüências sociais. O texto de Racine Santos traz de volta a figura épica de Lampião, sua vida, paixão e morte.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Sinhá Flor
De Eliézer Rolin (PB) - grupo: Cia. Sírius de Teatro (PB) - direção: do Autor - elenco: Crizelide Barros, Celsa Monteiro, Fátima França, Walmar Pessoa - contra-regras: Frank Burity e Thiago Henriques.
Duas velhas, Sinhá e Flor se encontram no fundo de quintal de um asilo. Uma, ex-mãe de família, a outra boêmia, ex-prostituta, fogem da perseguição da morte e esperam visitas que nunca chegam. Humoradas e divertidas, revivem o passado, enquanto tomam os chás das folhas de uma laranjeira morta do quintal. Grande amizade nasce da ausência de pessoas. Elas conversam sobre assuntos polêmicos como sexo, amor, e, no meio dos presságios e pesadelos que beiram a morte, Sinhá descobre em Flor a mulher que roubou o seu marido.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 30/11 - domingo

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Demonstração de trabalho

16h
ícone do título Cia. Sirius de Teatro (PB)
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

CCBB - Rua Álvares Penteado, 112
Mostra de espetáculos teatrais

18h
ícone do título Sinhá Flor
De Eliézer Rolin (PB) - grupo: Cia. Sírius de Teatro (PB) - direção: do Autor - elenco: Crizelide Barros, Celsa Monteiro, Fátima França, Walmar Pessoa - contra-regras: Frank Burity e Thiago Henriques.
Duas velhas, Sinhá e Flor se encontram no fundo de quintal de um asilo. Uma, ex-mãe de família, a outra boêmia, ex-prostituta, fogem da perseguição da morte e esperam visitas que nunca chegam. Humoradas e divertidas, revivem o passado, enquanto tomam os chás das folhas de uma laranjeira morta do quintal. Grande amizade nasce da ausência de pessoas. Elas conversam sobre assuntos polêmicos como sexo, amor, e, no meio dos presságios e pesadelos que beiram a morte, Sinhá descobre em Flor a mulher que roubou o seu marido.
Entrada franca (a bilheteria será aberta às 10h) - Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (125 lugares).

 

dia 2/12 - terça

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Sinhá Flor
(14 anos)
De Eliézer Rolin (PB) - grupo: Cia. Sírius de Teatro (PB) - direção: do Autor - elenco: Crizelide Barros, Celsa Monteiro, Fátima França, Walmar Pessoa - contra-regras: Frank Burity e Thiago Henriques.
Duas velhas, Sinhá e Flor se encontram no fundo de quintal de um asilo. Uma, ex-mãe de família, a outra boêmia, ex-prostituta, fogem da perseguição da morte e esperam visitas que nunca chegam. Humoradas e divertidas, revivem o passado, enquanto tomam os chás das folhas de uma laranjeira morta do quintal. Grande amizade nasce da ausência de pessoas. Elas conversam sobre assuntos polêmicos como sexo, amor, e, no meio dos presságios e pesadelos que beiram a morte, Sinhá descobre em Flor a mulher que roubou o seu marido.
Terça e quarta, às 19h30 - Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Adoniran Barbosa (300 lugares).

 

dia 3/12 - quarta

CCSP - Rua Vergueiro, 1000
Mostra de espetáculos teatrais

19h30
ícone do título Sinhá Flor
(14 anos)
De Eliézer Rolin (PB) - grupo: Cia. Sírius de Teatro (PB) - direção: do Autor - elenco: Crizelide Barros, Celsa Monteiro, Fátima França, Walmar Pessoa - contra-regras: Frank Burity e Thiago Henriques.
Duas velhas, Sinhá e Flor se encontram no fundo de quintal de um asilo. Uma, ex-mãe de família, a outra boêmia, ex-prostituta, fogem da perseguição da morte e esperam visitas que nunca chegam. Humoradas e divertidas, revivem o passado, enquanto tomam os chás das folhas de uma laranjeira morta do quintal. Grande amizade nasce da ausência de pessoas. Elas conversam sobre assuntos polêmicos como sexo, amor, e, no meio dos presságios e pesadelos que beiram a morte, Sinhá descobre em Flor a mulher que roubou o seu marido.
Terça e quarta, às 19h30 - Entrada franca (a bilheteria será aberta com uma hora de antecedência) - Sala Adoniran Barbosa (300 lugares).