OS ESCRAVOS DE JÓ - (Caxangá)
Milton Nascimento e Fernando Brant - 1973

PODE OUVIR

 

MOTIVO DA CENSURA


Os Escravos de Jô faz parte do disco Milagre dos Peixes, mutilado pela censura, que cortou praticamente na íntegra a letra dessa canção e de mais duas. Como Milton Nascimento não podia usar as letras, resolveu fazer as gravações apenas com sua voz, usando seu vasto repertório de modulações para imprimir as emoções que os censores haviam suprimido dos textos. Das três letras proibidas, esta, de Fernando Brant, é sem dúvida a mais contundente. Clementina de Jesus, convidada para participar do disco, só pôde cantar a última estrofe. Alguns anos depois, Elis Regina resgatou a letra proibida e gravou a canção com um novo nome, Caxangá.

LETRA

Os Escravos de Jó (Caxangá)
Elis Regina
Compositor: Milton Nascimento e Fernando Brant, 1973

Sempre no coração, haja o que houver
A fome de um dia poder
Morder a carne desta mulher

Veja bem meu patrão como pode ser bom
Você trabalharia no sol
E eu tomando banho de mar

Luto para viver, vivo para morrer
Enquanto minha morte não vem
Eu vivo de brigar contra o rei

Em volta do fogo todo mundo abrindo o jogo
Conta o que tem pra contar
Casos e desejos, coisas dessa vida e da outra
Mas nada de assustar
Quem não é sincero sai da brincadeira correndo
Pois pode se queimar

Saio do trabalho, ei
Volto para casa, ei
Não lembro de canseira maior
Em tudo é o mesmo suor